Plástico PEAD, PEBD e PEBDL: qual a diferença?

Plástico de polietileno

Os materiais plásticos vêm sendo utilizados há muitos anos pela sociedade devido às suas vantagens em comparação a outros tipos de materiais, como o aço, o vidro e a madeira. Algumas delas são: o baixo peso, o baixo custo, as elevadas resistências mecânica e química, a facilidade de aditivação e ainda por ser um material 100% reciclável.

Engana-se quem acredita existir apenas um tipo de plástico. Atualmente os mais consumidos são Polietilenos (PE), Polipropilenos (PP), Poliestirenos (PS), Policloretos de vinila (PVC) e os Poliésteres (PET). Eles são chamados de commodities devido à sua grande produção e aplicação, de acordo com o Sindicato da Indústria de Material Plástico, Transformação e Reciclagem de Material Plástico do Estado de São Paulo (SINDIPLAST).

Nesse artigo abordaremos especificamente as características do Polietileno (PE) e suas vertentes, como o plástico PEAD, conhecido como Polietileno de Alta Densidade; o plástico PEBD, que seria o Polietileno de Baixa Densidade, e o plástico PEBDL, ou Polietileno de Baixa Densidade Linear. Eles são as principais matérias-primas das geomembranas, importantes soluções que garantem a impermeabilização de solo e geram barragens de fluxo para obras de grande responsabilidade, como aterros sanitários e industriais.

Boa leitura!

Como o Polietileno surgiu?

De acordo com a Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), esse plástico foi sintetizado pela primeira vez em 1898, pelo químico alemão Hans von Pechmann, de forma acidental, enquanto aquecia o composto químico diazometano. Quando seus colegas, Eugen Bamberger e Friedrich Tschirner, avaliaram a substância gasosa e branca criada, descobriram grandes cadeias compostas por CH2 e o denominaram “polietileno”.

Mas foi só em 27 de março de 1933, na Inglaterra, que o polietileno foi sintetizado tal como o conhecemos atualmente, por Reginald Gibson e Eric Fawcett, que trabalhavam para os Laboratórios químicos ICI (Imperial Chemical Industries).

Tal feitio só foi possível devido à aplicação de uma pressão de cerca de 1400 bar e uma temperatura de 170 °C, quando foi obtido o material de alta viscosidade e cor esbranquiçada (naturalmente) que se conhece atualmente.

A pressão requerida para conseguir produzir a polimerização do etileno era muito alta, e por isso gerou a investigação sobre catalisadores, realizada pelo alemão Karl Ziegler e pelo italiano Giulio Natta, que levou à criação dos catalisadores Ziegler-Natta e rendeu-lhes o prêmio Nobel em 1963 por sua contribuição científica à química.

Atualmente, o mercado nacional de Polietileno está em uma grande crescente, avançando duas vezes mais que o Produto Interno Bruno (PIB). Além disso, a indústria de embalagens flexíveis do Brasil consome 770 mil toneladas por ano desse plástico, número que representa cerca de 80% do consumo total do material no país.

Esse material plástico possui 5 vertentes, todas com propriedades únicas, variando em relação à flexibilidade, resistência, estabilidade térmica e química. Mas os três mais comuns são o plástico PEAD, o plástico PEBD e o plástico PEBDL.

Resina de plástico

Plástico PEAD: Polietileno de Alta Densidade

Como o nome sugere, o plástico PEAD é mais denso que os demais, trazendo diversas vantagens, como:

  • Elevada resistência mecânica (como a impactos que podem gerar furos e rasgos);
  • Elevada resistência química;
  • Maior rigidez e dureza;
  • Elevada resistência ao fenômeno de rompimento sob tensão (Stress Cracking Resistance).

Plástico PEBD: Polietileno de Baixa Densidade

O principal diferencial do plástico PEBD, em relação ao plástico PEAD, é a maior flexibilidade e o maior alongamento do material. Ele ainda possui uma elevada resistência mecânica e elevada resistência química.

+ LEIA MAIS: o que é lona geomembrana?

Plástico PEBDL: Polietileno de Baixa Densidade Linear

Por fim, temos o plástico PEBDL, que se assemelha ao plástico PEAD no quesito de elevada resistência mecânica e elevada resistência química, mas supera o plástico PEBD no quesito de maior flexibilidade e maior alongamento.

Isso pois, como o nome sugere, esse é um polímero linear, com um número significativo de ramificações curtas, possuindo uma estrutura molecular diferente do PEBD. O que garante uma solução mais fina, com alta resistência, alta flexibilidade e ainda mais leve.

Lona de plástico com polietileno

Geomembranas de plástico PEAD, PEBD E PEBDL

As geomembranas são soluções produzidos através do Polietileno, utilizando o plástico PEAD, PEBD E PEBDL. Elas foram especialmente desenvolvidas para quem busca um sistema eficaz de impermeabilização, aliado a inovação e tecnologia, para obras que se preocupam com os impactos ambientais causados pelas contaminações de solos, rios e águas subterrâneas.

+ LEIA MAIS: quais as vantagens das geomembranas?

Por serem produzidas com o plástico PEAD, plástico PEBD e plástico PEBDL, que são atóxicos, as geomembranas são consideradas soluções ideais para barreira de proteção de água potável e de contenção de resíduos industriais, agrícolas e até mesmo radioativos. Elas possuem possuindo uma ótima compatibilidade química que resiste às agressões causadas por esses gases e líquidos e também ao processo de degradação ocasionados pelos raios UV. Assim, essas soluções podem ser aplicadas às mais diversas obras, como:

  • Lagoas para tratamento de efluentes domésticos e industriais;
  • Impermeabilização e cobertura de aterros sanitários e industriais;
  • Contenção de resíduos sólidos e líquidos;
  • Controle de fluxo e separação de resíduos;
  • Obras de mineração;
  • Estruturação de canais de irrigação;
  • Impermeabilização de lajes, pisos, túneis e diques;
  • Aquicultura – Construção de tanques de criação de peixes, camarões, entre outros;
  • Reservatórios de água e lagos ornamentais;
  • Centrais hidrelétricas.

Dentre as geomembranas mais conhecidas do mercado, tem-se a TechGeo. Uma linha que é produzida com os plásticos PEAD, PEBD E PEBDL, matérias-primas virgens de alta qualidade, e aditivação correta de negro de fumo (motivo pelo qual apresentam uma coloração preta), antioxidantes e termoestabilizantes, o que lhes garante uma maior resistência aos raios UV e, consequentemente, maior vida útil e performance.

Lona de plástico

E a EcoTech, produzida com os plásticos PEAD e PEBDL. Também são desenvolvidas com resinas de alta qualidade, possuem fácil aplicação e excelente resistência mecânica e térmica, aos raios UV e às oxidações.

+ LEIA MAIS: para que serve manta impermeabilizante?

Mas seu grande diferencial é sua variedade de cores (branco, verde e azul), que garante uma ótima integração paisagística, possibilitando a utilização em vales e lagos, ou como cobertura temporária em aterros sanitários, sendo a solução ideal para quem quer manter o visual harmonioso de sua obra.

Banner TechGround

Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Depto Comercial – SP/RJ/MT/MS

Depto Comercial – MG/ES/GO/DF + Sul

Depto Comercial – Norte e Nordeste

Trabalhe Conosco

Para acessar a página de downloads, preencha abaixo: